sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

"Prece de Natal do homem do século XX"

Em nome do blog Populista gostaria de agradece a todos os colaboradores que ao longo do ano compartilharam e ajudaram no crescimento deste canal de divulgação da história nacional, em especial aos que enviaram material enriquecendo o conteúdo postado. Desejo um Feliz Natal de muita paz, saúde e alegria, que da esperança continue iluminando o caminho de todos. 

Nesse momento, gostaria de divulgar o texto intitulado "Prece de Natal do homem do século XX", publicado no Diários Associados, em 21 de dezembro de 1969, de autoria do então Deputado Federal Plínio Salgado, que termina o artigo "(...) E o Homem do século XX ajoelha-se diante do presépio e a sua alma, unindo-se às dos ingênuos pastores, escuta embevecido o cântico dos anjos a anunciar a verdadeira Paz e a verdadeira Vida". 


Acima "Prece de Natal do homem do século XX", publicado no Diários Associados, em 21 de dezembro de 1969, de autoria do então Deputado Federal Plínio Salgado.

"Vovô Índio e o espírito do natal"

O escritor e poeta Carlos Maul foi um dos inúmeros intelectuais dos anos 1930 que divulgou a figura do Vovô Índio como símbolo do natal brasileiro. Infelizmente, atualmente poucos artigos de sua autoria podem ser encontrados sobre o personagem icônico do natal, entretanto os disponibilizados nos arquivos públicos pelo país nos mostram a dimensão da qualidade literária do autor, enriquecendo ainda mais o universo que envolve esse importante personagem da cultura nacional. 

O jornal O Estado, publicado em Florianópolis - SC, em 29 de janeiro de 1935,  página 02, é uma verdadeira "denúncia" contra o espírito consumista e das desigualdades sociais que afloram nesta data, devido ao desejo desenfreado do comercio em lucrar. Segundo o autor "Si eu tivesse força, praticaria um acto benemerito e de grande generosidade, eliminando do calendario a commemoração do nascimento de Jesus Christo. Essa festa é pretexto para a mais dura das injustiças: a de lebrar ás crianças, na phase melhor da vida, as diferenças sociais oriundas do dinheiro, despertando nas que são pobres o sentimento de inveja de revolta contra as que são ricas, ambas innocentes, victimas da perfidia humada". 


Acima imagem do  jornal O Estado, publicado em Florianópolis - SC, em 29 de janeiro de 1935,  página 02 Fonte: Biblioteca Pública de Santa Catarina).

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Editora GRD recebe moção de aplausos na Câmara de Vereadores em Niterói - RJ

Na última quinta-feira (14), a celebrada Editora GRD, de propriedade do veterano da Confederação de Centros Culturais da Juventude Sr. Gumercindo Rocha Dorea, recebeu uma moção de aplausos, pelo trabalho realizado na divulgação e valorização de novos autores e popularização da ficção científica como gênero literário no país. 

A justa homenagem na Câmara de Vereadores de Niterói, de autoria do Vereador Carlos Roberto Coelho de Mattos Júnior (PSC-RJ), município no qual durante anos o Sr. Gumercindo Rocha Dorea residiu, soma-se a recentes publicações e entrevistas em jornais e revistas sobre a editora, que se destacou em todo o país pela qualidade literária.


Acima imagem da moção de aplausos n° 00757/2017 de autoria do Vereador Carlos Jordy (PSC-RJ) (Fonte: CEAAM).


Acima imagem da movimentação da moção de aplausos n° 00757/2017 de autoria do Vereador Carlos Jordy (PSC-RJ) na Câmara de Vereadores de Niterói (Fonte: CEAAM).

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

"Lançamento do livro Plínio Salgado - Um católico Integralista entre Portugal e o Brasil (1985-1975)"


Acima imagem do livro "Plínio Salgado - Um católico Integralista entre Portugal e o Brasil (1985-1975)", ano 2017, publicado pela ICS (Fonte: Facebook). 

Hoje, dia 14 de dezembro de 2017, recebi em minha residência o livro "Plínio Salgado - Um católico Integralista entre Portugal e o Brasil (1985-1975)", escrito pelo  Prof. Leandro Pereira Gonçalves, publicada pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa - ICM, fruto de anos de pesquisa sobre a passagem do líder Integralista em Portugal (1939-1946), durante o exílio.

Segundo a apresentação da publicação: "Este livro representa um excelente estudo sobre o pensamento da ação política de Plínio Salgado, o fundador e dirigente da Ação Integralista Brasileira, que encapsulou de forma notável as metamorfoses de um intelectual político do Século XX". (...) Leandro Pereira Gonçalves desenvolveu uma análise cruzada e rigorosa da evolução política e cultural do líder integralista, com particular destaque para o exílio em Lisboa, entre 1939 e 1946, quando conviveu com a política e intelectualidade portuguesa e estabeleceu um discurso cristão, próximo do Estado Novo de António Oliveira Salazar, que levou para o Brasil e o caracterizou até ao fim de sua vida.  

Para maiores informações sobre o livro, acesse: 
https://www.imprensa.ics.ulisboa.pt/index.php?main_page=product_book_info&cPath=4&products_id=386


terça-feira, 5 de dezembro de 2017

"A Maçonaria contra o Integralismo"

O jornal A Razão, impresso em 07/10/1935, publicou uma curiosa reportagem intitulada "A Maçonaria contínúa a fazer propaganda do Integralismo... Tremei, camisas-verdes, dona Accacia entrou em scena!". Nesta reportagem é possível  observar a veia cômica do autor, demonstrando que a loja maçônica não consegue conter o avanço do Integralismo, através de sua campanha impiedosa de combate ao Sigma.

O texto publicado no jornal ainda faz referência ao camisa-verde Gustavo Barroso, um dos principais líderes do movimento Integralista e combatente da maçonaria, curiosamente na reportagem está presente o relato sobre um suposto encontro entre o Integralista e um maçom, que teria declarado: "eu sou maçom, mas o senhor abriu-me os olhos!". 

Acima imagem da reportagem  intitulada "A Maçonaria contínúa a fazer propaganda do Integralismo... Tremei, camisas-verdes, dona Accacia entrou em scena!", publicada no jornal A Razão, em 07/10/1935 (Fonte: Biblioteca Nacional).

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

"Os eleitores e a Acção Integralista Brasileira"

Em 2018 o país irá novamente as urnas, em certos aspectos o caldeirão político atual se resume pela inexistência de um personagem unânime entre os eleitores, surgindo inúmeros candidatos, abrindo espaço para aventureiros e políticos profissionais que se utilizam da insatisfação popular para angariar votos de eleitores ingênuos. 

Na década de 1930 a Acção Integralista Brasileira - AIB (1932-1937) já realizava um alerta contra os políticos profissionais e aventureiros, além da venda de votos, uma prática comum da época. Segundo o panfleto do período: "Approxima-se a hora em que você entrará n'uma prisão para dar um voto livre. E você conhece os programmas dos partidos em lucta? Se não conhece, como e porque, optar por este ou aquelle? Como escolher o que não conhece?"

Curiosamente o referido panfleto reproduz ataques contra o comunismo e socialismo, entretanto o maior adversário eleitoral do Sigma no país era representado pelos partidos liberais, que utilizavam do expediente da compra de votos e da violência como principais armas para manter o controle político em certas regiões do país, sendo o Integralismo um perigo para oligarquias locais. 


Acima imagem do panfleto "Eleitor!", publicado pela Acção Integralista Brasileira - AIB (1932-1937) na década de 1930 (Fonte: APERJ).